Crônicas do Cotidiano

O grande e incomensurável abismo do HD (ou Nietzsche, be proud!)

O fato da minha vida ter se tornado uma comédia de erros, quase um pastelão com direito a torta na cara e tudo mais, falarei depois (ou não), num post que está ensaiado para tomar vida e nunca toma…

Mas só sobre TODO o conteúdo de meses de trabalho perdido, e um HD formatado às pressas, algumas palavras…

Eu sou uma pessoa confusa. Mesmo. Eu preciso fazer listagens e similares antes de procedimentos radicais justamente porque, de outra maneira, nunca sei por onde começar. Então, sempre antes de formatar um HD, há o backup de tudo que é possível, e listas dos programas a serem baixados novamente, lista de senhas que não devem ser esquecidas, fazendo um grande mapa mental, só que por escrito, de tudo que vou precisar fazer depois. Continue lendo “O grande e incomensurável abismo do HD (ou Nietzsche, be proud!)”

Anúncios
Meios e Mídias · Paradigmas e comportamentos

True Blood e nossa tara por sexo, violência e sangue

True Blood

O (único) problema de True Blood é que a série vicia. A série tem esse comportamento de traficante, de dar um pouquinho, que é muito, e te deixar com vontade de mais. Dois episódios da terceira temporada e eu já estou aqui, babando, em crise de abstinência e resistindo bravamente à tentação de baixar os episódios que já foram ao ar lá fora. E se ainda não o fiz é porque sei que isso me deixaria babando e em crise de abstinência no próximo domingo, and so on. Continue lendo “True Blood e nossa tara por sexo, violência e sangue”

Pensamentos Aleatórios

Dos atestados de insanidade…

É muito triste quando a gente se descobre incompetente. Para qualquer coisa, umas mais do que outras… De repente todo aquele ímpeto, aquela sensação de plenitude de poder qualquer coisa, aquele desejo de vencer qualquer obstáculo que nos faz sentir grande, completo e capaz, some… e no lugar, um vazio de braços abertos. Continue lendo “Dos atestados de insanidade…”

Pensamentos Aleatórios

Deixando a bola rolar

Hoje é dia do Brasil entrar em campo na Copa do Mundo, Copa essa que estou passando longe. Não que isso seja exatamente muito diferente do habitual: eu já falei por aqui que não vejo a mínima graça em futebol. Respeito a comoção, mas não vejo graça. O diferente é que me vi pensando no que eu iria estar fazendo hoje as 3:30 da tarde quando o Brasil inteiro estivesse vendo o jogo. Não gostar de futebol é uma coisa, não assistir nem os jogos do Brasil na Copa do Mundo me parece outra, totalmente diferente. De alguma forma eu vi nisso um processo de dissociação, de isolamento, de diferenciação… Continue lendo “Deixando a bola rolar”

Pensamentos Aleatórios

As teias de confluências

Ok, eu tinha parado com isso… Não estava totalmente certa de que era melhor desse jeito, mas eu tinha posto o pensamento mágico de lado: nada de teias de confluências, energias perpassando histórias, desejos movendo o mundo e coisas desse tipo. Eu era “A” Sra. pragmatismo já tinha um bom tempo.

Mas aí eu recebo um email de 23 anos no passado. E outro dia, outro dia mesmo eu estava pensando nela, Filipa, minha amiga portuguesa, mostrando as fotos de um passeio pra minha filha. E pensei de novo (nela e em zilhões de outras pessoas, admito, mas nela também) quando estava escrevendo o post de aniversário. E mesmo ignorando o quão inusitado era aquilo e enquanto estou lá trocando idéias com minha melhor amiga na época de segundo grau, passo pra ir no quarto e quem eu vejo? Quem eu vejo? A  mariposa de aniversário. Continue lendo “As teias de confluências”

Cotidiano

Dormir e Rir: os melhores remédios

Não posso reclamar do dia. Tá certo que ele não acabou, e que segundo Murph, tem muita coisa que ainda pode dar errado (tipo Letícia com kilos de dever pra amanhã e está só no começo), mas ri horrores hoje, e rir é tudo de bom.  E só deu pra rir como eu ri porque eu dormir. Viu? Tudo está conectado. Tudo é uma coisa só! Continue lendo “Dormir e Rir: os melhores remédios”