Meios e Mídias · Paradigmas e comportamentos

Polêmica, eu quero uma pra viver (Ou “O Twitter grunindo contra a Bethânia”)

Nesses tempos de mídia social e profundidade de pires do avesso em 140 caracteres, todo dia temos uma polêmica nova. Eu passo ao largo dos tais trends, e quase sempre sou marido traído, o último a saber… Do que estão falando mesmo? Ah tá… Então tá.

Mas às vezes pego a discussão no começo, ao invés de tentar tomar o bonde já a meio caminho, pendurada no estribo, quase caindo nos trilhos. Quando é assim, a meio caminho do esgotamento natural da polêmica vazia (que morre em si mesma, silenciosamente e sem aviso prévio), prefiro nem me meter. Mas ok, as vezes pego a discussão no começo.

A polêmica do dia é… Maria Bethania e a lei Rouanet.

Continue lendo “Polêmica, eu quero uma pra viver (Ou “O Twitter grunindo contra a Bethânia”)”

Anúncios
Crônicas do Cotidiano

O grande e incomensurável abismo do HD (ou Nietzsche, be proud!)

O fato da minha vida ter se tornado uma comédia de erros, quase um pastelão com direito a torta na cara e tudo mais, falarei depois (ou não), num post que está ensaiado para tomar vida e nunca toma…

Mas só sobre TODO o conteúdo de meses de trabalho perdido, e um HD formatado às pressas, algumas palavras…

Eu sou uma pessoa confusa. Mesmo. Eu preciso fazer listagens e similares antes de procedimentos radicais justamente porque, de outra maneira, nunca sei por onde começar. Então, sempre antes de formatar um HD, há o backup de tudo que é possível, e listas dos programas a serem baixados novamente, lista de senhas que não devem ser esquecidas, fazendo um grande mapa mental, só que por escrito, de tudo que vou precisar fazer depois. Continue lendo “O grande e incomensurável abismo do HD (ou Nietzsche, be proud!)”

Paradigmas e comportamentos

A arte de comentar

Eu não sou dona da verdade. E nunca quis ser. Mas aprendi desde cedo a defender meus pontos de vista até ser convencida do contrário: e acreditem, eu não me importo em ser convencida do contrário. O caminho do aprendizado é, e sempre foi, o diálogo.

O ruim de escrever na internet é que você não fica cara a cara com seu interlocutor. Quando alguém lê um texto seu na sua frente algum comentário saí dali. Bom, ruim, gostei, não gostei, concordo, discordo, e por aí vai. Mas aqui as pessoas vem, lêem, vão embora, e exceto por um hit anônimo, a gente nem sabe que alguém esteve por aqui. Mas isso não é muito diferente de ler um jornal ou um livro, na verdade, é até melhor porque há a possibilidade de interagir. Agarra essa oportunidade quem quer!

Mas comentar na internet não é, ou não deveria ser, diferente de dialogar com alguém na “vida real”. Discordar e criticar são direitos que todos tem, a forma é normalmente muito mais problemática que o conteúdo. As pessoas se acham no direito, por estarem escondidas atrás de um monitor em alguma parte do mundo, de serem grosseiras, ríspidas, vazias em conteúdo na hora de criticar. Não gostou? Tá coberto de razão e no seu absoluto direito, mas me explica porque, como e quando, e abra o espaço pra eu argumentar também. Com sorte, a gente chega num consenso, ou na pior das hipóteses, a gente pelo menos dialogou. Continue lendo “A arte de comentar”

Meios e Mídias · Paradigmas e comportamentos · Reminiscências

Sobre a palavra e a proliferação das mídias

Então, tava eu escrevendo ontem no Tumblr… para! para tudo! Volta a fita que a história já começa antes disso. Quando esse negócio de internet começou a gente tinha lista de email em BBS. “E lamba os beiço que já tá bão“. Todo mundo falava tudo alí e não gostou? Muda de lista. Não que tivessem muitas opções. Aí veio o IRC e a gente passava a noite dando /ignore nos primeiros tarados de internet que foram surgindo e insistiam em marcar encontro com a imagem que tinham de nós (loira gostosa pro marmanjo barbudo, 15 anos pra velhota de quase 30 – aí meus 30!). E toma signo trocado! E abria canal pvt para falar abobrinha enquanto no mainstream, segundos antes do /ignore, a gente continuava muito sério: “sim, sim… tô te entendendo. Te vejo no shopping!” E tome LOL em PVT que na época não chamava LOL  nem PVT, mas isso é detalhe que não interessa. Ai veio o tal do BLOG – que eu sempre imaginava gordo, com uma letra trocada e gritando que ninguém ia movê-lo até ser movido no quadrinho seguinte – e quando a gente achava que não tinha mais o que inventar, começou a promiscuidade digital: ORKUT, TWITTER, MSN,YOUTUBE, FACEBOOK, TUMBLR, VLOG, BUZZ e mais uns 30 nomes cheios de consoantes só entre os que emplacaram, porque nos últimos 15 anos outros nomes igualmente cheios de consoantes foram impossíveis de decorar e cairam no esquecimento. Mas eu estava lá: Meninos, eu vi! Continue lendo “Sobre a palavra e a proliferação das mídias”

Meios e Mídias · Paradigmas e comportamentos

Pequenos manifestos pela arte democrática (2)

Fragmento do cartaz do Ato pelo Debate Público de Direitos Autorais que aconteceu em maio / 2010

O que é meu é meu e o que é seu é seu. Até aí a gente concorda. Eu não tenho nenhuma intenção de entrar na sua casa e sair pegando os seus pertences, mas o que foi solto no mundo é meio que do mundo…É alguns bens são por definição (ou deveriam ser) coletivos. O ar que eu e você respiramos por exemplo. E a cultura.

Mas o povo não está interessado em cultura de verdade.” Diz o sujeito com o rosto meio escondido alí na fileira de trás. Não está mesmo? Ou só não conhece? Não foi dado o direito de querer? A TV foi comprada a prestação e eles assistem o que aparece lá pra ser assistido. Gostam de algumas coisas, desgostam de outras, mas não há propriamente muita opção alí para se conversar a respeito. Vale o mesmo pro show que acontece no clube da esquina (e antes fosse o Clube da Esquina!), e o CD, que por sinal, eles compram alí no camelô da praça, muito obrigado. Livro? Muito caro, deixa pra lá. E segue por aí já que a lista é longa e o acesso,quase nenhum. Continue lendo “Pequenos manifestos pela arte democrática (2)”

Meios e Mídias

Eu no Espaço Imoral (II)

Calma gente… não pretendo ficar usando esse espaço para propagandear tudo que eu postar no outro. Já tenho o The Middle of Nowhere pra isso, né?  Mas é só para avisar que minhas contribuições pro EI serão 2 vezes por semana: Todas as segundas e as sextas.  Sugiro FORTEMENTE que vocês visitem o site diariamente, pois todo dia o Bronx posta alguma coisa interessante, nova, reveladora. Mas não deixem de ir nas 2as e 6as  dar pitaco nas minhas sugestões de artistas interessantes, ok?  Visitem e COMENTEM, só assim vou saber se estou acertando a mão!

Deixei a cargo do Bronx decidir dos 11 artigos que já estão prontos, qual vai ao ar amanhã ou mesmo se esse esquema de dois dias só começará na próxima semana. Então pra mim também vai ser uma quase surpresa. Mas seja qual for, espero que vocês gostem!
(OPSS… acabo de me lembrar que segundas eram as folgas do Espaço Imoral, quando normalmente não entrava nenhum post, então corre o risco do Bronx não aparecer para agendar nada. Vou lá agendar alguma coisa, e se ele aparecer, pode mudar, né? O que vou escolher… hum… já sei… vejam lá depois da meia noite! )

Meios e Mídias

Eu no Espaço Imoral


Amanhã, mais precisamente a zero hora e um minuto (:))  começa minha participação no Espaço Imoral com o post A arte imponente de Rudy Herczog (Rochr). Em princípio, trata-se de uma participação semanal, prestigiando artistas renomados e/ou apresentando novos nomes.

Confesso que dei uma apavorada quando recebi o convite. Mais trabalho (pro-bono, as always… Essa é a história da minha vida! 🙂 ), uma baita responsabilidade (o site é super bem acessado e sempre com excelentes sugestões de artistas inusitados, diferentes, interessantes e cá entre nós, eu sou um tanto quanto mais do mesmo!) e ver arte e dar palpite é uma coisa, escrever texto sobre arte, é outra completamente diferente: eu lá sei do que estou falando? Continue lendo “Eu no Espaço Imoral”