poesia

Sobre viagens e estradas

Lembro que eu era pequena
E a estrada, imensa
tudo dentro de mim se revirava e parecia para sempre
até o momento que acabava.

Lembro que eu perguntava
e era uma dúvida de vida ou morte,
(Porque dentro de mim tudo se revirava)
Se faltava muito a chegada.

Havia sempre uma voz que me assegurava a chegada
Havia sempre uma voz de cantava
e para me manter na vida real, um beliscão e uma cara emburrada.

Lembro que eu era pequena
E a estrada era linda e misteriosa
mas eu não podia amar o caminho
dentro de mim, tudo se revirava.

Ainda se revira.  E só há silêncio
eu não sei quanto falta.
Eu nunca mais soube.

E eu só queria apreciar a estrada.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s