poesia

(…)

E no fim, é tudo silêncio.
De dentro pra fora
De fora pra dentro
Só o eco imperceptível de uma palavra perdida
que chega tardia e vazia.

No fim, tudo é silêncio.
E ausência.
E saudade.
De alguma coisa.
E de coisa alguma.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s