poesia

Vazio

Tédio. Profundo. Absurdo. Absoluto.
Luto de algo que não está mais lá.

E imaginar que o vazio, físico, poderia ocupar os espaços.
Estender braços por cada sala, cada mesa, gaveta, pasta…
Preencher todas as frestas, todos os cantos, com nada e coisa alguma.

Olhos mortos acompanham o relógio.
Mais um minuto. Outro. Outro. Enfim.
Tédio. Profundo. Absurdo. Absoluto.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s