Pensamentos Aleatórios

O tudo e o nada.

De todas as mortes no RPG que meus personagens tiveram, a que mais me marcou foi uma em Kult, onde minha personagem, na fronteira do nada, no princípio dos tempos, se perdeu da trilha e deixou de existir. Foi paulatinamente esquecida. Esse jogo, coisa de duas décadas atrás, aconteceu com uma pessoa que definitivamente não existe mais. Guardo semelhanças, mas se eu me encontrasse com essa eu de antes, na rua sem aviso, era capaz deu não me reconhecer. E definitivamente não seria capaz de me entender.

Em retrospectiva, a personagem apagada da existência. Não deixou marcas. Ninguém a carregar algum fardo. Sem sentir ou deixar nenhum sofrimento. Sem manter nenhuma responsabilidade ou laço com o real, porque simplesmente nunca foi, me parece muito mais uma dádiva, uma generosidade da entropia, com ela e para com os seus. Cujas vidas poderiam até ser menos ricas sem ela, mas nesse contexto imaginário, nunca saberão porque nunca souberam. Assim como ela, porque nunca foi.
O niilismo supremo, mergulhado em balsamos para as culpas cristãs, os fardos que carregamos, as razões porque não desistimos de tudo, hoje, agora, da próxima vez que ficar tudo dificil…

Enfim, elucubrações filosóficas… Eu não fui talhada para a morte, quase tanto como não fui talhada para a vida.
E na esfera dos desejos impossíveis, fantasiosos e imaginários, apenas o deixar de ser.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s