Morre-se

Morre-se todos os dias.
De tudo. De nada. De coisas pequenas e bobas.
Diria que morre-se todos os dias um pouco se verdade isso fosse.
Bem eu queria.
Mas morre-se. Apenas.

Pequena morte, grande morte.
Sísifo dos esforços perdidos.
Por dentro: o eco de gritos.
e uma certa anestesia
Quem, vendo de fora, diria?

Morre-se.
Todo santo dia.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s