Palavra que cura · poesia

Palavras

Escrevendo.
As primeiras ordens médica foram claras: escreva.
Escrevendo  – Depois de um longo silêncio seco e de dores de dores de dores..
Pedaços todas as dores do mundo.
Sem bálsamos, sem consolo.
Eu, de novo em profícua profusão do que mais me cura.
Ou abranda.
Ungüento sobre feridas abertas que só agora cessam de sangrar.
Palavras, meu remédio de escolha.
Palavras, escritas até dizerem. O que quer que seja, mesmo o que eu não quero ouvir.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s