Paradigmas e comportamentos

Reflexões sobre o corpo materno

Na verdade foi um comentário no Facebook sobre um texto lido. Ficou grande, mas postei lá assim mesmo.  Achei que seria legal um registro mais fixo do quanto achei o texto interessante, e do que penso a respeito… E isso é bem legal porque está vindo num momento de literalmente reconstrução do ego, do amor próprio e da minha propria relação comigo mesma, como sou (agora) por dentro, como sou (agora) por fora… Continue lendo “Reflexões sobre o corpo materno”

Pensamentos Aleatórios

Sobre essa história de sorrir para a vida x2, a missão.

Bom dia, boa tarde, boa noite.

A vida segue, urge, surge, e se você não sai da frente, atropela, mesmo.

As pessoas, definitivamente, atropelam mais. Gente é esse bicho que… é, eu amo meus cachorros e vocês já sabem disso. Não se ponha no caminho da urgência ou da loucura de ninguém. Já vi estouro de boiada pedir mais licença. Continue lendo “Sobre essa história de sorrir para a vida x2, a missão.”

Pensamentos Aleatórios

Sobre essa história de sorrir para a vida

Ontem esbarrei num texto, um conhecido de longa data postou o link, comentou, era daqueles textos que ele precisava ter lido. E eu também. Eu tinha feito a exata mesma coisa da autora do texto (com o atenuante ou agravante de tomado uma decisão e na verdade estar na cola da adrenalina e da ansiedade dessa decisão), minha postura otimista durou 5 dias, e de súbito eu estava lá acabrunhada de novo, olhos vermelhos chorando a toa, tentando achar força pras coisas mais banais. Continue lendo “Sobre essa história de sorrir para a vida”

Pensamentos Aleatórios

A Adriana, os cigarros e os Arcos da Lapa….

68 horas. 30 minutos, sabe deus quantos segundos…. Esse é o tempo sem introduzir nicotina na corrente sanguínea. Um nada ainda. Uma eternidade.

O melhor conselho que recebi, repasso . Água. Muita água.  Quanto mais se dilui a nicotina existente, mas fácil ela sai.  Fisicamente, eu tô ótima. Quer dizer, eu to uma pilha de nervos, irritada pra raio, um mal humor de dar dó , mordendo canto de parede tamanha a ansiedade, mas a parcela disso referente à abstinência tende a zero.  Logo, acrescento um conselho  meu no  pacote: esse negócio de escolher boa hora é furada. Numa boa hora, você vai transformar o bom em péssimo. Tô começando a achar que a melhor hora é a pior delas : já ta péssimo, vai piorar como?!  E quando passar, é só melhora, e corre pro abraço! Continue lendo “A Adriana, os cigarros e os Arcos da Lapa….”