Então, né? Pois é. Não foi. (ou Futebol, essa caixinha de surpresas…)

Eu não gosto de futebol. E não me arvoro a dizer que entendo. Mas a vida toda convivi com aficionados pela coisa (sabe como é, o Brasil é um país de técnicos…) então as regras do jogo não me são estranhas, e sou capaz até de palpitar, se me interessa. A questão é que raramente me interessa.

O legal (cof! cof!) de se estar ficando velha, é que a gente vai ganhando bagagem. E não é de ouvir falar em matérias de jornal ou frases de efeito em 140 caracteres. A gente sabe porque já viu, de fato, muita coisa diferente acontecendo ao longo dos anos. E em termos de Copa do Mundo, a cada 4 anos. Soma-se isso com o óbvio (Futebol é um jogo competitivo, onde um ganha, o outro perde, e psicopatias conspiratórias a parte, todo mundo quer ganhar), não vejo muito o que ficar discutindo a respeito: ou se ganha, ou se perde. E a vida segue em frente e ponto.

Essa história de achar culpado é uma das coisas mais surreais do ser humano. Tá certo que a gente aprende com os erros, mas erro é relativo. A gente pode errar e ainda assim atingir o objetivo, e ai ninguém vai aprender nada com ele. Ou acertar tudo e não conseguir, porque o outro foi melhor. Então vamos discutir o que? Depois do leite esparramado no chão da sala, dizer que era pra ter tido cuidado é a completa perda de tempo: o leite não vai voltar pro copo! Não, porque se eu fosse o técnico eu teria convocado fulano, posto beltrano no banco, feito a tática tal e dado a sicrano a orientação de… Querido, você não é/era o técnico, e acho difícil que venha a ser, mas mesmo que fosse, ou se o Dunga tivesse seguido suas orientações, ele ainda podia estar voltando pra casa de mãos abanando, exatamente como vai voltar agora.  A gente tem esse péssimo hábito de se colocar no lugar do outro não para entender como é difícil fazer, mas para criticar e dizer que teria feito diferente. Grandes coisas…  Esse discurso não muda nada, não constrói nada, não acrescenta nada: nem no resultado, nem na vida a partir dali…

Então eu vou contar pra vocês a verdade, e espero de coração não chocar ninguém. Os de coração fraco, por favor retirem-se da sala e tampem os ouvidos das crianças e idosos:
O BRASIL PERDEU PORQUE OUTRA SELEÇÃO GANHOU.
#prontofalei . E nem me venha com a história de que perdeu para si mesma, porque além de desrespeitar o time adversário, isso só é possível de acontecer quando se joga sozinho, ou não se joga.

Presta atenção: não é que eu não me importe ou não ligue.  Catárse perdida é sempre triste. Todo mundo quer gritar Gooooolllll. É campeão. E se pode gritar de boca cheia Hexacampeão então, aí é que se quer muito. Mas não foi. Ponto. Ficou pra outra voz  de outro país gritar essas coisas (menos o Hexa, que ao menos por enquanto, era uma possibilidade só nossa). E não sendo os Argentinos a gritar (sorry, eu não sou de ferro! Nessas horas o estômago revira… É PILHA!), que mal que tem?

É assim mesmo. Uns ganham. Outros perdem. E é da natureza do jogo. A culpa não é do Kaká, do Felipe Melo, do Juiz, da Jabulani nem do Dunga. A culpa é da natureza do jogo. Porque se tivéssemos ganho, os Holandeses estariam tendo essa mesma discussão agora, e culpando, a toa, sabe deus eu quem…

Deixo vocês com algumas frases do Twitter: a maioria fica com mais de 140 caracteres para eu dar RT, então registro aqui algumas considerações interessantes sobre o dia de hoje. Porque no fundo, foi só um jogo!

RT @paulomario: Apoiada RT @helenachagas: Ai,começou. Agora, post mortem, os palpiteiros sabem e-x-a-t-a-m-e-n-t-e porque a seleção perdeu. Ô gente chata.. (via @mr_numbersix)

RT @bqeg: Em 2006 jogava bonito, perdeu. Pau no Parreira. Em 2010 jogamos feio pra ganhar. Perdemos e pau no Dunga. Viva a memória seletiva. (via @mariocaraujo)

RT @mariocaraujo: Ah, o país dos técnicos. Agora até a não-convocação do Adriano é culpa da derrota. Hoje não é um dia pra falar sério sobre futebol…

RT @LeoJaime: O hexa ficou para o Maracanã. Quem é do contra pode começar a vuduzar. Eu levo a maior fé. E quero estar lá para comemorar.

RT @luisnassif: Politizar vitórias é oportunismo. Politizar derrota é burrice. O primeiro se apropria da felicidade geral; o segundo tripudia sobre o luto. (via @deLoyola)

RT @mmezza: Lema da seleção brasileira!@FrasesDoCalvin: Perdi apenas um jogo idiota, mas meu espírito permanece invencível.”

RT @marcelotas: Ok, agora vamos cuidar de votar bem. E não é só para presidente, mas governador, deputado e senador. Pra não chorar depois. (via @deLoyola)

RT @flaviowatson Gente, desanima ñ. Podem manter bandeira na janela e espírito patriótico. Vai começar a Festa da Democracia #EssaEuQueroVer

RT @deLoyola: Ok, Pessoal. Já perdemos a Copa. Não vamos perder também o Ficha Limpa: http://ow.ly/26pZp (via @s1mone)

RT @marciofiorito: Bom, de volta ao trabalho…

E salvo alguma outra que perdi na mesma linha, o resto é o mas do mesmo xingando jogador, técnico, CBF… Respeito, cada um xinga o que quer. Mas nem perdi meu tempo lendo, e não acho que vocês deviam perder também. Então, na onda das grandes comoções, se o mundo não acabar em 2012, a gente fala de futebol de novo em 2014…

Um comentário sobre “Então, né? Pois é. Não foi. (ou Futebol, essa caixinha de surpresas…)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s