Meios e Mídias

Dr. Horrible: tudo que o George Lucas queria, mas não conseguiu fazer…

Dr. Horrible
Dr. Horrible's sing-along blog

Outro dia, falando do Castle, citei o Dr. Horrible’s Sing-Along Blog. Acredito que todos os nerds (enrustidos ou assumidos) conheçam essa MARAVILHOSA produção pra web, mas pro caso de alguém não conhecer, é algo que vale a pena indicar…

Durante a greve dos roteiristas americanos em 2008 as produções de série pra TV ficaram suspensas. Entediado, e querendo provar que com um orçamento baixo e alguns contatos era possível fazer TV de qualidade, Joss Whedon (Buffy, Firefly, Angel, Dollhouse) juntou  a familia  (Zack Whedon e Jed Whedon) e meia dúzia de amigos (ok, o cara tem amigos de peso, tipo Neil Patrick Harris, Nathan Fillion – que, segundo reza a lenda, quando o telefone tocou e ele viu que era Joss do outro lado da linha, ele já atendeu falando ” YES ” antes mesmo de ouvir a proposta – e Felicia Day, mas fazer o que? Ainda se tratava de ‘meia dúzia’ de 10 ou 12 de amigos) e montou uma micro-série de 3 episódios chamada “Dr. Horrible’s Sing Along Blog” para ser exibida na internet: um misto de tragicomédia e musical.

A história, a grosso modo, é despretensiosa. Faça de conta que existem vilões e super-heróis no mundo. Um aspirante a vilão, com a alcunha de dr. Horrible, está em sua jornada para ser aceito, se tornar conhecido, ser importante. Ele, como todo ser vivente, quer fazer parte de algo. Mas no seu caminho há dois pequenos problemas: seu arqui-inimigo, o Capitain Hammer e por último, mas não menos importante, seu enorme coração.

Dr. Horrible é um vilão com ética, um vilão com consciência e um vilão para quem ferir um inocente é algo inaceitável. O Dr. Horrible somos nós. Ele sonha em se tornar um vilão não porque ele é mau, mas porque provavelmente ele não se acha bom o bastante pra ser um herói. E ele quer ser alguma coisa, qualquer coisa em um mundo onde há os heróis, os vilões e as pessoas comuns e ordinárias (e nunca o duplo sentido da palavra foi tão apropriado). No caso, se ele não quer ser qualquer um e não se acha material para ser herói,  ele quer ser um vilão. E porque não?

Seu coração pertence a Penny. Uma mulher comum que usa a mesma lavanderia que ele, e com quem Dr. Horrible nunca ousou trocar uma palavra sequer. Assim como ele não se acha o suficientemente bom pra ser herói, ele também não se acha bom o bastante para aquela mulher comum maravilhosa que roubou seu coração. Mas todos os seu planos (não-)malévolos a incluem: seu principal objetivo (mesmo que ele não saiba disso) não é exatamente ser aceito na maligna liga do mal.  Ser aceito é um “meio” para atingir seu objetivo real:  ser alguém e provar pra Penny que ele é digno do seu amor.

O acaso – e os desabrigados que precisam de um teto – faz com que ele finalmente se torne um conhecido de sua amada e depois, seu amigo e confidente, e esse mesmo acaso irá desencadear uma série de eventos, envolvendo a si mesmo, Penny e seu arquiinimigo Captain Hammer que desembocam em um final surpreendente, emocionante e que faz pensar.

A trilha sonora é maravilhosa: romântica, engraçada, espirituosa, inteligente. Nomeie, e você terá. Os atores exercem seus dotes de artistas completos e cantam primorosamente. As tiradas cômicas são de rolar no chão de tanto rir, e então, de repente, de forma inesperada e despretensiosa, você se vê com os olhos marejados e a mente cheia de pensamentos, e finalmente compreende qual é o caminho que transforma um homem bom em um vilão.

Dr. Horrible's sing-along blog
Dr. Horrible's sing-along blog

George Lucas assassinou a sua própria trilogia (a original) de Star Wars com os 3 “novos” sofríveis filmes, tentando justamente isso: contar essa trajetória que humaniza o vilão, que relativiza a maldade e que contextualiza a vilania. Ele precisou de mais de 6 horas, bilhões e mais bilhões de dolares e ainda assim não conseguiu. Joss Whedon faz o mesmo com muito mais competência (e sucesso) tendo em mãos um baixo orçamento e usando cerca de apenas 42 minutos.

Recomendo. E muito.

Teaser

Os Episodios, sem legenda (caso seu inglês dê pro gasto! 🙂 )

George Lucas assassinou a sua própria trilogia de Star Wars com os 3

“novos” sofríveis filmes, tentando justamente isso: contar essa tragetória

que humaniza o vilão, que relativiza a maldade e que contextualiza a

vilania. Ele precisou de mais de 6 horas, bilhões e mais bilhões de dolares

e ainda assim não conseguiu. Joss Whedon faz o mesmo muito mais competência

( e sucesso )tendo em mãos um baixo orçamento e usando cerca de apenas 42

minutos.

Anúncios

5 comentários em “Dr. Horrible: tudo que o George Lucas queria, mas não conseguiu fazer…

  1. Best musical ever! 🙂

    Bem feito, despretensioso, tem meio, começo, fim… e que FIM. Perfeito. Nem tenho muito pra acrescentar. É uma daquelas coisas que tenho que ter em DVD ou sei lá.

    Só queria que legendassem na net. Assim mais pessoas que não dominam o o inglês poderiam conferir.

    PS: “Greve dos roteiristas” me lembra alguém que falou na “GUERRA dos Roteiristas”

    *RATATATATATATATÁ*

    “VOCÊS NUNCA SABERÃO O FINAL DE LOST!!!”

    Ainda bem que agora sabemos. =P

    Curtir

    1. Sob o risco de exagerar, é a melhor comédia ever. E a melhor tragicomédia ever, além de o melhor musical ever. E o mais impressionante, uma história completa, sem pontas soltas, em míseros 40 e poucos minutos.

      Eu tenho ela aqui legendada, mas roubei do computador do Sauron.

      E fui que que falei guerra dos roteiristas, não foi? Eu perco o controle da minha lista interminável de gafes trocando palavras que digo quando estou com sono. Tenho umas 1000 só de jogar Master no meio da madrugada. Eu tenho que aprender a calar a boca quando o sono finalmente chega, mas aí estou com muito sono e esqueço de calar a boca.

      Curtir

  2. Mas é legendado em português ou em inglês? Você podia uapar pro Youtube fazer uma favor a comunidade nerd mundial.

    É Adriana. Mas é normal. O Galvão também esqueçe… =P

    Curtir

    1. É um vídeo só, legendado em português (esquema básico de vídeo + legenda com o mesmo nome). Eu não saberia como dividir em pedaços e muito menos como fazer a legenda ficar embbebed… então acho q não vai rolar.

      Eu podia dormir sem essa! Fala sério, minhas gafes são bem mais engraçadas que as do Galvão.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s