Crônicas do Cotidiano · Reminiscências

Pra não dizer que não falei das flores

Por ontem, pelo teu legado, pela tua história, pela trajetória e pelo por vir, Feliz Aniversário Mãe.

Meios e Mídias · Paradigmas e comportamentos

Pequenos manifestos pela arte democrática (2)

Fragmento do cartaz do Ato pelo Debate Público de Direitos Autorais que aconteceu em maio / 2010

O que é meu é meu e o que é seu é seu. Até aí a gente concorda. Eu não tenho nenhuma intenção de entrar na sua casa e sair pegando os seus pertences, mas o que foi solto no mundo é meio que do mundo…É alguns bens são por definição (ou deveriam ser) coletivos. O ar que eu e você respiramos por exemplo. E a cultura.

Mas o povo não está interessado em cultura de verdade.” Diz o sujeito com o rosto meio escondido alí na fileira de trás. Não está mesmo? Ou só não conhece? Não foi dado o direito de querer? A TV foi comprada a prestação e eles assistem o que aparece lá pra ser assistido. Gostam de algumas coisas, desgostam de outras, mas não há propriamente muita opção alí para se conversar a respeito. Vale o mesmo pro show que acontece no clube da esquina (e antes fosse o Clube da Esquina!), e o CD, que por sinal, eles compram alí no camelô da praça, muito obrigado. Livro? Muito caro, deixa pra lá. E segue por aí já que a lista é longa e o acesso,quase nenhum. Continue lendo “Pequenos manifestos pela arte democrática (2)”

Meios e Mídias

Eu no Espaço Imoral (II)

Calma gente… não pretendo ficar usando esse espaço para propagandear tudo que eu postar no outro. Já tenho o The Middle of Nowhere pra isso, né?  Mas é só para avisar que minhas contribuições pro EI serão 2 vezes por semana: Todas as segundas e as sextas.  Sugiro FORTEMENTE que vocês visitem o site diariamente, pois todo dia o Bronx posta alguma coisa interessante, nova, reveladora. Mas não deixem de ir nas 2as e 6as  dar pitaco nas minhas sugestões de artistas interessantes, ok?  Visitem e COMENTEM, só assim vou saber se estou acertando a mão!

Deixei a cargo do Bronx decidir dos 11 artigos que já estão prontos, qual vai ao ar amanhã ou mesmo se esse esquema de dois dias só começará na próxima semana. Então pra mim também vai ser uma quase surpresa. Mas seja qual for, espero que vocês gostem!
(OPSS… acabo de me lembrar que segundas eram as folgas do Espaço Imoral, quando normalmente não entrava nenhum post, então corre o risco do Bronx não aparecer para agendar nada. Vou lá agendar alguma coisa, e se ele aparecer, pode mudar, né? O que vou escolher… hum… já sei… vejam lá depois da meia noite! )

Meios e Mídias · Paradigmas e comportamentos

Pequenos manifestos pela arte democrática

A arte é um bem coletivo, a ser compartilhado. E não é só o prazer de ver (e estou feliz de estar colaborando para a sua divulgação lá no Espaço Imoral), é também o prazer de fazer. A arte não comercial, não profissional, descompromissada de provocar qualquer reação além da alegria que é produzir alguma coisa é algo que temos quando criança, e perdemos a medida que valores estéticos externos nos policiam, limitam, cerceiam. O que pode acontecer mais cedo ou mais tarde, mas fatalmente acontece. É a professora que esquece de elogiar, é o irmão mais velho que pergunta com cara de espanto “mas isso era pra ser o que mesmo?”, é a mãe que guarda em gavetas empoeiradas as dezenas de produções infantis…

É por isso que todas as iniciativas que visam ensinar a fazer arte, e mais importante que isso, provar que todo mundo é capaz de se manifestar artisticamente, são extremamente louváveis. São pequenos manifestos pela arte democrática, livre e sem fronteiras.  O canal por assinatura Disney Chanell transmite um programa britânico, produzido por Neil Buchanan  e Tim Edmunds, chamado Art Attack (ativo entre 1990 e 2007). Continue lendo “Pequenos manifestos pela arte democrática”

Meios e Mídias

A season finale de House

Help me. O título do episódio é uma frase que poderia ser dita por qualquer um no episódio, e é um mote recorrente em House. Help me. Nas entrelinhas, eu leio esse pedido desde o começo da série, e por isso, ao contrário de uns e outros, a 6a temporada, que admito não ter sido nem de longe a melhor, também não me soou a desastre e desgaste da fórmula. Apenas o prosseguimento natural de uma linha que começou 6 anos atrás.

Que linha? Que fórmula? Ok, falemos de House. A série tem como temática central procedimentos médicos. Em teoria, a mesma linha de ER, Grey’s anatomy, Mercy e tantas outras séries que já vieram e foram na telinha. Mas House é, e sempre foi, totalmente diferente. Fora dos padrões convencionais de séries com essa temática, House aposta na angústia e no drama pessoal, (quase nada) não só dos pacientes, mas (em especial) também do personagem título, Gregory House. Continue lendo “A season finale de House”

Meios e Mídias

Eu no Espaço Imoral


Amanhã, mais precisamente a zero hora e um minuto (:))  começa minha participação no Espaço Imoral com o post A arte imponente de Rudy Herczog (Rochr). Em princípio, trata-se de uma participação semanal, prestigiando artistas renomados e/ou apresentando novos nomes.

Confesso que dei uma apavorada quando recebi o convite. Mais trabalho (pro-bono, as always… Essa é a história da minha vida! 🙂 ), uma baita responsabilidade (o site é super bem acessado e sempre com excelentes sugestões de artistas inusitados, diferentes, interessantes e cá entre nós, eu sou um tanto quanto mais do mesmo!) e ver arte e dar palpite é uma coisa, escrever texto sobre arte, é outra completamente diferente: eu lá sei do que estou falando? Continue lendo “Eu no Espaço Imoral”

Pensamentos Aleatórios

Dos atestados de insanidade…

É muito triste quando a gente se descobre incompetente. Para qualquer coisa, umas mais do que outras… De repente todo aquele ímpeto, aquela sensação de plenitude de poder qualquer coisa, aquele desejo de vencer qualquer obstáculo que nos faz sentir grande, completo e capaz, some… e no lugar, um vazio de braços abertos. Continue lendo “Dos atestados de insanidade…”