17 Comentários

Meu nome é Khan, e eu não sou um terrorista

Não sou fã do cinema Bollywood. Por isso por muito pouco o filme não me escapa. Agradeço a minha inabilidade a lidar com minha recém adquirida SkyHD e ter apertado o botão errado no controle remoto. Era começo da madrugada e assisti um trecho, justamente quando Khan conhece Mandira. Ele era tão pueril, doce, que fiquei uns instantes assistindo. Em dado momento ele dá um piti com um casaco amarelo da Mandira e me lembrei de uma amiga. Fiquei curiosa de ver como o filme ia se desenrolar, e o gravei para assistir mais tarde. Fico muito feliz que eu tenha feito isso.

Contém alguns spoilers. Não o suficiente, eu acho, para estragar o filme, mas é sempre bom avisar…

O filme é uma grata surpresa. Dos recursos narrativos, onde presente e passado, pela narrativa de Khan, se misturam, até se encontrarem e rumarem ao futuro, às atuações, convincentes e tocantes. Khan é um autista funcional, portador da síndrome de Asperger, muçulmano, que se apaixona por uma indiana em São Francisco, nos Estados Unidos, antes de 11/09. Ele é apaixonante, por essência e por definição. Sua inabilidade em compreender figuras de linguagem nos rende momentos deliciosamente engraçados e sua persistência mesmo frente às adversidades nos dá grandes lições. Se o filme parasse por aí, ainda assim valeria a indicação, pela forma delicada de lidar com o complicado tema das diferenças, que, segundo a mãe de Khan inexistem. Seu maior ensinamento para o filho, antes de morrer por seu coração ter ficado grande demais (o que é em si quase irônico) foi justamente que as pessoas, todas elas são iguais e se dividem em 2 únicos grupos: as boas, que fazem coisas boas e as más, que fazem coisas más. Todo o resto, como nacionalidade, credo, cor da pele, posicionamento político, preferência sexual ou o que for, simplesmente não importam. E é este ensinamento que guia Khan, da primeira à última cena do filme.

Para Khan, a palavra dada é mais que sagrada, e ele promete à mãe, antes de sua morte, ser feliz. E quando ele encontra a felicidade plena, a cerca de metade do filme, o sentimento de redenção que nos provoca é arrebatador. Torcemos por ele. Vibramos por ele. Nos alegramos por ele.

Uma reviravolta oferece uma nova camada à história: depois de 11/09, as adversidades ao agora casal Khan e Mandira, e o filho dela, Sam, agora chegam em avalanches, tomam proporções gigantescas e culminam em uma tragédia inenarrável, fruto do pré-conceito, da ignorância, do ódio e da mesquinharia humana. Em meio à dor da tragédia, Khan interpreta literalmente uma figura de linguagem e toma como missão de vida encontrar o presidente dos Estados Unidos e dizer: Meu nome é Khan, e eu não sou um terrorista. Esta frase, literal e simbolicamente, seria o caminho de volta ao coração agora repleto de ódio de sua amada Mandira.

Começa uma longa jornada surreal em nome do amor. Um jornada que não mede esforços, que não tem limites, uma força incapaz de ser barrada ou detida, não importa pelo que.  As situações em que Khan se coloca são as mais inóspitas e surreais possíveis, e culminam em sua prisão, por suspeita de terrorismo. Justo ele, que iniciou todo esse esforço justamente para dizer que não era um terrorista. Sua história chama atenção de um jovem aspirante a jornalista, que move céus e terras para convencer a mídia a lhe dar atenção, o que, ao acontecer, provam a inocência de Khan e geram sua libertação.

Agora o mundo conhece Khan, e ele fez sua palavra ser ouvida. Esse é seu nome, e ele não é um terrorista. Mas não basta. Ele precisava cumprir sua palavra ao pé da letra, e dizer isso ao presidente dos Estados Unidos. Mas nem sua inabilidade de entender as tais figuras de linguagem e nem sua urgência em se reunir com Mandira interferem em suas noções de prioridade. Alguém precisa dele, em outra parte do país, alguém que lhe deu a mão quando ele precisou, e Khan se desvia do seu caminho para oferecer ajuda, e mobiliza dúzias de pessoas no processo, numa belíssima lição de solidariedade.  O suficiente para provocar ondas de amor, culpa, remorso, redenção… e infelizmente, também de ódio.

Em mais uma reviravolta, nos vemos de coração apertado, torcendo para que seja um daqueles filmes de final feliz. Por sorte, é. E Khan completa sua jornada e nós, completamos com ele. Renovados. Quase esperançosos. E definitivamente envergonhados de não sermos 1/10 do homem que ele é.

O filme é lacrimoso, admito. Beira o piegas em alguns momentos (alguém me ouviu soluçar?!). É um drama na mais fiel acepção da palavra, e muita gente foge de drama como o diabo da cruz.  Mas é lindo. E puro. E nos dá uma sensação necessária: se um homem como Khan pode existir nem que seja na imaginação de um roteirista, a raça humana talvez tenha salvação. Se aquelas questões que o filme levanta, de igualdade, solidariedade, amor sem limite e sem fronteira e fé inabalável, são questões relevantes para alguém, talvez, só talvez, nem tudo esteja perdido. Talvez eu não precise me isolar em uma ilha deserta com meus cachorros. Talvez apesar dos incontáveis reacionários, preconceituosos, racistas, intolerantes e preguiçosos que povoam a terra, uma semente boa esteja sendo plantada, nesse segundo, em algum lugar. E quem sabe, florescerá. Talvez eu possa até ajudar regando-a. É um sopro de ar fresco pensar nisso… E todos nós precisamos de sopros de ar fresco de quando em quando.

 

Meu nome é Khan (My name is Khan)

Um filme indiano de 2010

Direção: Karan Johar

Roteiro: Shibani Bathija e Niranjan Iyengar

Elenco: Shahrukh Khan e Kajol

 

OBS1: Khan, sobrenome do ator e do personagem, é um sobrenome muçulmano comum, como é Silva por exemplo, para brasileiros. Alias, por ter esse sobrenome, o ator experienciou uma desagradável passagem do filme, ao vivo e a cores, em sua vida real: foi revistado e detido no aeroporto por nenhum outro motivo exceto se chamar Khan…

 

OBS2: Uma das razões deu não ser muito fã do cinema Bollywood é justamente a duração de 3 horas (ou quase isso) que é uma rotina nesse estilo. Normalmente eu sinto o filme pesar da metade pro final, e fico olhando o relógio para ver se ainda falta muito, por melhor que seja a história (e como raramente a história em si me atinge, o tempo passa ainda mais devagar!). Não é o caso de Meu Nome é Khan, que ocupa muito bem suas quase 3 horas de duração com detalhes relevantes dos motivos e da jornada em si. Nada é jogado. Nada é por acaso. E nada é desnecessário. Uma ótima edição, portanto, também.

About these ads

17 comentários em “Meu nome é Khan, e eu não sou um terrorista

  1. Esse filme é MARAVILHOSO!!Ele da a noção exata do que é Peconceito.

    “Nunca é tarde para abrirmos mão dos nossos preconceitos”

  2. Um dos melhores filmes que assisti em toda minha vida… Me emocionei muito, chorei muito, e assim que acabou o filme, demorou pra eu conseguir levantar do sofá, de tão emocionada que fiquei… eu recomendo ao mundo todo, principalmente porque o filme mostra que não existe diferenças entre as pessoas, e sim a única diferença, em qualquer lugar que seja, qualquer país que seja, é de que existe pessoas boas ou pessoas más, tal seja sua crença, sua religião, sua raça, sua cor…. o filme passa uma linda mensagem de amor que no mundo todo deveria ter…

  3. Lindíssimo!!! De uma sensibilidade incrível! Adorei e recomendo. Assim como Adriana, eu cheguei nele por acaso e tive a felicidade de assistí-lo do lnício ao fim… Vale a pena assistir para aprendermos a ser mais humanos!

  4. Ainda não tinha asistido a um filme tão emocionante, tão humano, no sentido mais puro da palavra….é isso que todo o mundo deveria ansiar pra sua vida… colocar o outro sempre em primeiro lugar nos seus relacionamentos, dando a ele o lugar de honra; a começar por nossos familiares, e assim matarmos o egoísmo que é sempre tão forte dentro de nós.

  5. sem duvida um grande filme

  6. Alguém sabe onde posso adquirir esse filme? Meu contato: marcelo_ratti@hotmail.com
    Obrigado!!!!

  7. eu vi uma vez e mim apaixonei

  8. quero muito este filme como faço?
    eu adoro ele!!!!!

  9. Quando assisti o filme me emocionei muito e prometi a mim mesma ensinar aos meus filhos que não existem diferenças exceto a bondade e a maldade e ao ler essa descrição do filme me emocionei novamente simplesmente por saber que existe alguém com sensibilidade pra interpretar tão brilhantemente a essência do filme com tantas questões envolvidas obrigada por esse instante de emoção e alívio de saber que não estou sozinha nessa luta de ter esperanças por um lugar melhor com pessoas melhores recomendo a todos que vejam o filme… Não irão se arrepender… Só pra esclarecer eu tenho um filho autista e a princípio esse foi o motivo que me levou a assistir o filme, o que eu não sabia é que eu teria uma incrível surpresa no desenrolar da história bjos a todos

  10. como baixar este filme

  11. EU POSSO ASSISTIR MIL VEZES QUE NAO ME CANSO DE ASSISTIR, É MUITO TRISTE ADOREI O FILME, ISSO DA PRA VER SOBRE O PRECONCEITO………COMO KHAN DISSE NAO A DIFERENÇA ENTRE OS HUMANOS E SIM HOMENS BONS OU MAUS……………..

  12. tem que ganha osca

  13. Emocionante , lindo e inspirador a história narrada ,simplesmente nós leva há uma verdade que aconteceu ou ainda pode estar acontecendo aos muçulmanos nos estados unidos . Uma frase que ficou deste filme é “no mundo há dois tipos de pessoas as boas e as más ” muito bom . eu através deste filme vejo os muçulmanos hoje de modo diferente , há bons e maus assim como cristãos , e induístas, macumbeiros, assim é o mundo sou Cristão pastor de igreja por isso escrevo como tem coisas que simples como esse filme que nos faz meditar sobre a vida na terra .
    recomendo o filme .

  14. AMO EXTE FILME

  15. lindo esse filme ! já ví 3 vezes.

  16. pouquissimo divulgado ,mais a historia é bela e realista.

  17. eu ia assistir um desenho, mais caio neste filme e comecei assistir e fui gostando e no entanto me emocionei e olhe que tenho 12 anos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 158 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: